Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Fale com a Redação

Ter, 13/11/2012 às 23:00 | Atualizado em: 14/11/2012 às 09:42

Tráfico de pessoas é maior entre mulheres e crianças

Kleyzer Seixas

Você:


Seu Amigo:


Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com ","(vírgula).

Ex.: nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Máximo 200 caracteres


(*) Todos os campos são obrigatórios

Reportar Erro:

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo A TARDE preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Máximo 200 caracteres

(*) Todos os campos são obrigatórios

-A A+
  • Divulgação

    Em Salve Jorge, personagem de Carol Dieckman é iludida por rede de tráfico internacional

O pedido de retorno imediato aos pais biológicos, das cinco crianças entregues para famílias paulistas, em Monte Santo, na Bahia, pela relatora da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Tráfico Nacional e Internacional de Pessoas do Senado, senadora Lídice da Mata (PSB-BA), é um dos desdobramentos do caso que ganhou repercussão nacional, ao ser exibido no programa Fantástico, e que configura uma das faces do tráfico de pessoas, assunto de destaque da nova novela da Rede Globo,  Salve Jorge, da autora Glória Perez; comprovando a gravidade do problema que atinge, principalmente, mulheres e crianças de baixa renda.

A Bahia ocupa o terceiro lugar entre os estados brasileiros com registros de vítimas desse crime, que se divide em três tipos - exploração sexual de mulheres, crianças e adolescentes; remoção de órgãos e trabalho análogo ao escravo -, segundo dados da Secretaria Nacional de Justiça, do Ministério da Justiça. Os outros estados que estão na frente da Bahia são Pernambuco e Mato Grosso do Sul. Nos últimos seis anos, quase 500 brasileiros foram vítimas do tráfico de pessoas em todo o Brasil.

Seduzidas por propostas tentadoras para mudar de vida e até de país e pelo ganho de dinheiro fácil, muitas pessoas, sobretudo mulheres - já que a exploração sexual, segundo registros oficiais, é a modalidade mais comum desse tipo de prática, com 70% dos casos - acabam acreditando nos aliciadores e entregam suas vidas a grupos formados em uma rede organizada que ultrapassa fronteiras, cujo único interesse é lucrar com o crime. Estima-se que a atividade ilegal movimente em torno de 30 bilhões em todo mundo, sendo que 10% desse total está ligado à máfia no Brasil, de acordo com dados da ONU.

O destino mais comum de vítimas brasileiras é o Suriname, que registrou 133 casos de 2005 a 2011, segundo a Secretaria Nacional de Justiça. Na sequência estão outros países europeus - Suíça, com 127 registros, Espanha, com 104, e Holanda, 71. Mas o crime não se resume ao tráfico de mulheres e adolescentes para o exterior. Recentemente, na Bahia, além do caso das cinco crianças de Monte Santo, investigado na CPI do Tráfico Nacional e Internacional de Pessoas do Senado, uma jovem, de pouco mais de 20 anos, da cidade de Itambé, ficou em cárcere privado, em Salvador.

Convidada a sair do interior da Bahia para trabalhar na capital do estado, a jovem ficou por poucas horas presa. "Ela mesma, ao perceber que a proposta de trabalho não existia, procurou identificar o número da polícia, então, não durou muito tempo. Tentamos reinseri-la no mercado de trabalho, porque ela não teve necessidade de ter acompanhamento psicológico", conta a coordenadora  do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Estado da Bahia, da Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), Luiza Mascarenhas de Almeida.

O perfil da jovem, de baixa renda e com pouca instrução, é o mais comum das vítimas de tráfico, de acordo com a coordenadora da unidade de combate à prática na Bahia. "São mulheres, de 15 a 27 anos, morenas, negras, geralmente de uma classe econômica menos favorecida. Mas também encontramos casos que não necessariamente são condições tão ruins", esclarece Luiza Mascarenhas de Almeida.

Para evitar não cair nesse tipo de armadilha, a coordenadora do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico afirma que as pessoas devem ficar atentas às propostas de mudança de país e ou de emprego com facilidades demais e remuneração acima da média ou de valores exorbitantes. Luiza também orienta que, antes de aceitar qualquer proposta de emprego, é necessário verificar, por exemplo, a procedência do convite, e checar a existência e o registro das empresas.

Quando a oferta de emprego for fora do país, o ideal é procurar os contatos do consulado do Brasil para o local onde está sendo oferecida a vaga. Outro cuidado a ser tomado, segundo a coordenadora, é não entregar o passaporte para a pessoa responsável pela proposta de emprego e passar todos os contatos para a família. No Brasil, o mais indicado é procurar, antes de qualquer confirmação de viagem, o núcleo de enfrentamento ao tráfico, para evitar problemas.

Na Bahia, as pessoas podem procurar o Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Estado da Bahia, localizado na Rua Frei Vicente, Pelourinho. Além de informações para orientar a população sobre como proceder em situações duvidosas de oferta de emprego, a unidade, vinculada à Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, disponibiliza às vítimas de tráfico de pessoas acompanhamento psicológico e reinserção no mercado de trabalho.

Quem está no Brasil, pode fazer denúncias anônimas por meio do Disque 100 (nacional) ou por meio do Disque Denúncia Bahia (3235-0000). Para quem está no exterior, as denúncias podem ser feitas através do Portal Consular, do  Ministério das Relações Exteriores. As pessoas que estão em outros países também podem procurar o consulado do Brasil no território onde se encontram.

Além das unidades que trabalham com a prevenção e acompanhamento de casos, em 2011 foi criada a CPI para investigar casos da máfia do tráfico de pessoas. Até agora, foram realizadas 27 reuniões e quatro diligências. Atualmente, mais de 30 pessoas, entre homens e mulheres, cumprem pena no Brasil devido ao crime de tráfico de pessoas, segundo o Ministério da Justiça.

Onde denunciar

>>Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Estado da Bahia - Rua Frei Vicente, 10, Pelourinho - (71) 3266-0131)

>>Dique 100 (nacional)

>>Disque Denúncia Bahia - 3235-0000

>>Núcleo de Assistência a Brasileiros, Divisão de Assistência Consular, pelos telefones (61) 3411-8803/ 8805/ 8808/ 8809/ 8817/ 9718, ou ainda pelo e-mail: dac@mre.gov.br.

>>Confira aqui outros endereços de Núcleos de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas em outros estados

comentários(0)
  • comentar

    Esqueceu sua senha?

    Digite aqui seu e-mail

    Esqueceu seu login e/ou senha?

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

outras notícias

27/06/2014 às 11:24

Argentino preso em Itaparica será transferido para presídio

Será transferido para o Complexo Penitenciário da Mata...

17/06/2014 às 07:43

Policiais prendem homem com 10kg de maconha dentro de carro - Foto: Fotos: Joá Souza | Ag. A TARDE

Policiais prendem homem com 10kg de maconha dentro de carro

11/06/2014 às 17:42

Traficante é preso vendendo drogas na própria casa

Agentes da Delegacia Territorial (DT) de Mata de São João...

30/08/2014 às 18:26

Polícia desarticula quadrilha em Ilhéus - Foto: Divulgação | Polícia Militar

Polícia desarticula quadrilha em Ilhéus

< >

Imprimir

imagem

Antes de imprimir lembre-se da sua responsabilidade e comprometimento com o meio ambiente.

Se preferir, envie por e-mail ou gere um arquivo em .pdf

Deseja realmente imprimir? nãosim

Botão Fechar
Copyright © 1997 - Grupo A TARDE.Todos os direitos reservados.
Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA. CEP: 41.820 - 570 Tel.: ( 71 ) 3340 - 8500 | Redação: ( 71 ) 3340 - 8800
últimas notícias