Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Fale com a Redação

Ter, 28/08/2012 às 00:12

Brown diz que novo circuito do Carnaval amplia inclusão afro

*Hieros Vasconcelos Rego

Você:


Seu Amigo:


Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com ","(vírgula).

Ex.: nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Máximo 200 caracteres


(*) Todos os campos são obrigatórios

Reportar Erro:

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo A TARDE preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Máximo 200 caracteres

(*) Todos os campos são obrigatórios

-A A+
  • Raul Spinassé | Agência A TARDE

    Arquibancadas para desfile do Afródromo seriam montadas na Avenida da França

O "afródromo", como será chamado o possível quarto circuito da festa momesca para o desfile de afoxés e blocos afros, no Comércio,  deve ter suas estruturas montadas já no Carnaval de 2013 para receber 140 mil foliões, destes,  20 mil em arquibancadas. Fruto de uma parceria entre a Pilar Produções e a Liga dos Blocos Afros, o projeto, além de ter sido recebido de forma positiva pela Prefeitura de Salvador e órgãos estaduais e federais, já tem o apoio de grandes marcas e estudos que estimam a geração de 25 mil empregos diretos e indiretos. O novo circuito movimentaria ainda R$ 120 milhões e uma receita de tributos para o Estado da Bahia de cerca de R$ 7 milhões.

O estudo preliminar foi realizado pela empresa Hoffing, contratada pela parceria entre a Pilar e a Liga, composta pelo Malê Debalê, Timbalada, Muzenza, Cortejo Afro, Ilê Aiyê, Carlinhos Brown e Afoxé Filhos de Gandhi. Nesta segunda, 27, Brown e o vice-presidente do Malê Debalê, Miguel Arcanjo, estiveram no Jornal A TARDE para apresentar o projeto e mostraram entusiasmo com o que chamam de "recondução da questão cultural, no Carnaval, com o foco afro". "Acreditamos que isso não separa, e sim avança. Precisamos acabar com a dicotomia de que o Carnaval é problemático porque não valoriza suas matrizes", disse Brown.

O afródromo será um espaço cultural em uma área delimitada pelo Mercado Modelo e a Feira de São Joaquim. As arquibancadas serão montadas na Avenida da França, e os trios retornarão pela Avenida Estados Unidos. As transversais servirão de apoio, com banheiros, torres de controle, espaço VIP, parque para crianças.

Segundo Brown, o afródromo foi desenvolvido para ser um projeto inovador. No desfile, as marcas serão publicizadas com projetores nas paredes da Codeba para não poluir visualmente a festa. A entrada será feita por catracas e detectores de metal, torres de controle irão monitorar com câmeras pelo circuito e cada bloco terá apenas um trio, sem o carro de apoio.

"Além de utilizar tecnologia de ponta, terá mais segurança sem abusar do trabalho dos policiais militares. O circuito dá uma volta nesse trecho do Comércio. Não causa engarrafamento e tem hora pra começar e terminar", destaca o músico. O vice-presidente do Malê, Miguel Arcanjo, lembra ainda o potencial cultural e artístico do projeto. "Haverá espaço para pregar a diversidade. Para fazer uma festa bonita visualmente, sem poluição, com direito as cores e belezas que já existem nas fantasias", explica.

O secretário de Cultura do Estado, Albino Rubim, vê o afródromo como algo positivo. "Vai ser um elemento a mais. Não vai contra o que existe, só acrescenta", opina.

Dúvidas - Doutor em comunicação e cultura contemporânea, o professor da Ufba Paulo Miguez acha a iniciativa interessante, mas teme a participação da prefeitura. "A prefeitura não tem sido uma instituição que enfrente os grandes problemas do Carnaval", afirma. Para Miguez, o Carnaval, em Salvador, não é visto como patrimônio imaterial. "Não existem políticas culturais. Ele é visto como mercado. Não incorpora a totalidade dos atores da festa e o Conselho Municipal do Carnaval é incapaz de fazer. Além, claro do desequilíbrio entre o espaço público e o privado", diz.

*Colaborou Helga Cirino

Presidente do Concar afirma não ter sido consultado

Embora o projeto esteja com meio caminho andado, o presidente do Conselho Municipal do Carnaval, Pedro Costa, afirma que nenhum órgão da prefeitura o procurou ou enviou material que detalhe o afródromo. “Nós não recebemos nada da prefeitura. Acho que, antes de tudo, é preciso revitalizar os circuitos existentes”, disse. No entanto, no dia 21 deste mês, ocorreu uma reunião no gabinete do prefeito João Henrique para apresentação do projeto, e o Concar teria sido convidado, segundo garantem integrantes da Liga dos Blocos Afro. 

Procurado pela equipe de reportagem insistentemente, o presidente da Salvador Turismo, Jonga Cunha, não foi encontrado para explicar o porquê de não ter conversado com o Concar.

Contra - A União de Afoxés, Afros, Reggaes e Samba do Estado da Bahia (Unafres), que representa 76 instituições, afirma que não foi procurada para discutir o projeto. O presidente da União, Gilsoney de Oliveira, afirma que a Liga dos Blocos Afro não representam todos os blocos afro e afoxés, que, ao todo, somam 140 em Salvador. “Me parece um interesse privado”, diz.

comentários(9)
  • + recentes
  • + votados
  • comentar

    Esqueceu sua senha?

    Digite aqui seu e-mail

    Esqueceu seu login e/ou senha?

Wellington Nery, 29/08/2012 às 16:47

seria mais uma forma de separar os brancos dos negros,visto q os blocos afros 99% participam os negros...sera defasado em tudo,supongo!

diadorim Moraes, 28/08/2012 às 14:25

"A ideia é ofensiva. Demonstra, na melhor das hipóteses, a incapacidade de democratizar o carnaval de Salvador em face aos interesses de grupos econômicos. Os blocos afros sempre incomodaram esses interesses e a solução foi convencê-los a sair do circuito oficial, oferecendo um "novo/exclusivo".

diadorim Moraes, 28/08/2012 às 14:18

Nada mais conveniente: os camarotes ficarão livres dessa "aporrinhação". Já que o espaço está pouco para Ivete e Brown venderem cerveja, a criação de mais um circuito não poderia servir a todos?

Leo dias, 28/08/2012 às 12:52

Quem vai ocupar o espaço vazio na programação do Centro? Entretanto, acho importante fomentar um circuito sem trio elétrico no Rio Vermelho, sem muito dedão do estado. O carnaval precisa de um espaço livre para novas experiências e o Rio Vermelho já vem sendo o celeiro criativo da cidade.

Ivonildo da Cruz Pita, 28/08/2012 às 10:52

olha não seria uma má ideia se colocassem o carnaval subdividido em três partes, paralela, comercio , barra e centro da cidade.

Ramiro Soares, 28/08/2012 às 08:51

A ideia parece ser muito boa. Projetos independentes e descentralizados são uma via importante para o Carnaval de Salvador. A mobilização de uma setor, mesmo pequeno, só contribui para a festa. Seria uma grande utilidade para a região do Porto de Salvador, obsoleta no período do Carnaval.

Marcelo Prado, 28/08/2012 às 08:34

Espero que esse espaço no comércio sirva também para outros eventos , como a arrancada de velocidade que já teve à alguns anos atras e parou.

Zeilton Pinto, 28/08/2012 às 07:47

A ideia é brilhante contudo, a denominação por si é segregadora. Me deixei, viu!

Fabio Pimenta da Silva, 28/08/2012 às 05:28

Isso será mais uma palhaçada no já caótico trânsito de Salvador. Quem quiser chegar no Campo Grande e na Barra fará como? Terá que ir pela esburacada San Martin. E o trânsito da calçada que já engarrafa todos os dias mesmo sem fila de ferry boat como ficará. Vocês estão querendo é travar a cidade +

ver mais

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

outras notícias

07/05/2014 às 13:13

IBGE: carnaval influenciou queda na produção de março

A queda de 0,9% na produção industrial em março ante o...

05/05/2014 às 10:01

Carnaval de Maragogipe é prestigiado em Portugal - Foto: Divulgação

Carnaval de Maragogipe é prestigiado em Portugal

< >

Imprimir

imagem

Antes de imprimir lembre-se da sua responsabilidade e comprometimento com o meio ambiente.

Se preferir, envie por e-mail ou gere um arquivo em .pdf

Deseja realmente imprimir? nãosim

Botão Fechar
Copyright © 1997 - Grupo A TARDE.Todos os direitos reservados.
Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA. CEP: 41.820 - 570 Tel.: ( 71 ) 3340 - 8500 | Redação: ( 71 ) 3340 - 8800
últimas notícias