Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Dom, 12/02/2017 às 10:37

Em Série: Se ficar, o bicho come

Debora Rezende l Especial para A TARDE

Você:


Seu Amigo:


Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com ","(vírgula).

Ex.: nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Máximo 200 caracteres


(*) Todos os campos são obrigatórios

Reportar Erro:

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo A TARDE preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Máximo 200 caracteres

(*) Todos os campos são obrigatórios

-A A+
  • Divulgação

    Drew Barrymore é a zumbi comedora de carne humana Sheila, na série Santa Clarita Diet (Netflix) - Foto: Divulgação

    Drew Barrymore é a zumbi comedora de carne humana Sheila, na série Santa Clarita Diet (Netflix)

A internet passou por um daqueles leves frissons quando a Netflix anunciou, no final do ano passado, que Drew Barrymore estava chegando para comandar uma série original. Santa Clarita Diet prometia a história de uma família do subúrbio que passa por adaptações graças à nova dieta da mãe.

A gente começa a temporada já meio desconfiado. São dez episódios, mais ou menos meia hora em cada, e a proposta é de fazer graça com a vida familiar: Drew vive Sheila, casada com Joel (Timothy Olyphant) e mãe de Abby (Liv Hewson). Até aí, tudo bem.

Só que essa é uma sitcom sobre zumbis. Não, você não leu errado: a nova produção original da Netflix te leva para um cruzamento entre Modern Family e The Walking Dead.

A trama começa com a personagem de Drew sendo apresentada como rígida e controladora. Logo em seguida, enquanto o casal de corretores mostrava um imóvel para dois clientes, a protagonista passa mal. Muito mal.

Depois de uma sequência meio nojenta (não assista durante o jantar), Sheila percebe algumas mudanças no seu comportamento. Como, por exemplo, o fato de que agora prefere comer carne crua. Melhor ainda: carne humana crua.

Santa Clarita Diet escolheu um tema controverso para fazer humor. Perceber que prefere comer pessoas é um acidente na narrativa. Sheila, agora morta-viva, se torna mais impulsiva - como consequência, por exemplo, quase trai o marido.

Mas Joel não precisou nem se preocupar: ela preferiu devorar o ex-colega de trabalho no jardim a ter um caso com ele.

Assim, a perspectiva da morte é inserida e passa o tempo todo presente na comédia. O que, por si só, já é um tema diferente para fazer graça (em Friends, por exemplo, ninguém nunca morria). Vemos, então, Sheila pulando em pescoços alheios enquanto Joel vive em um estado tragicômico à procura de uma cura.

Gostar ou não da série é uma questão de perspectiva e momento. Ela é bizarra? É e muito. É chata? Não. A proposta é tão absurda que acaba prendendo a atenção. Na maior parte do tempo, há uma dúvida latente: mas é isso mesmo que está acontecendo?

Conforme a série avança para o fim da temporada, Sheila continua matando pessoas e colocando partes em um freezer (sem brincadeira: isso acontece). O que reflete, claro, no comportamento da filha. Depois de ver os pais envolvidos em assassinatos e mentiras, ela começa a questionar a importância da escola.

Vale ressaltar que Timothy Olyphant entrega um Joel muito bom em suas reações para tentar ajudar a esposa e encontrar uma certa normalidade na nova rotina da família. Também merece destaque Skyler Gisondo, que vive Eric, o vizinho nerd (claro, né) que ajuda a família na história de "minha mãe é um zumbi".

No fim das contas, Santa Clarita Diet faz graça pelo absurdo que propõe. Um vírus zumbi é um tema no mínimo ousado e diferente para comédias. A primeira temporada transita entre o nojento, o estranho e o escrachado. Pelo menos não tem como dizer que não é original.


comentários(0)
  • comentar

    Esqueceu sua senha?

    Digite aqui seu e-mail

    Esqueceu seu login e/ou senha?

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

outras notícias

15/03/2017 às 13:42

Terra em Transe, beleza e potência de um calvário - Foto: Divulgação

Terra em Transe, beleza e potência de um calvário

08/11/2016 às 14:06

'Um Lobisomem Americano em Londres', filme clássico dos anos 1980, ganhará remake - Foto: Reprodução

'Um Lobisomem Americano em Londres', filme clássico dos anos 1980, ganhará remake

20/04/2016 às 23:08

Casal protagonista é o elo fraco do bom Em Nome da Lei - Foto: Divulgação

Casal protagonista é o elo fraco do bom Em Nome da Lei

26/12/2016 às 20:20

'Minha Mãe É Uma Peça 2' tem segunda melhor estreia do cinema nacional em 2016 - Foto: Reprodução | TV UOL

'Minha Mãe É Uma Peça 2' tem segunda melhor estreia do cinema nacional em 2016

< >

Imprimir

imagem

Antes de imprimir lembre-se da sua responsabilidade e comprometimento com o meio ambiente.

Se preferir, envie por e-mail ou gere um arquivo em .pdf

Deseja realmente imprimir? nãosim

Botão Fechar
Copyright © 1997 - Grupo A TARDE.Todos os direitos reservados.
Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA. CEP: 41.820 - 570 Tel.: ( 71 ) 3340 - 8500 | Redação: ( 71 ) 3340 - 8800
últimas notícias