Colunistas


Manno Góes

Coluna do Manno

Qui, 24/11/2016 às 07:17

Resta um!

Músico l manno.goes@grupoatarde.com.br

Esta reta final da Série B do Campeonato Brasileiro de 2016 tem sido uma prova de fogo para corações tricolores.

Gols perdidos. Gols sofridos. Gols decisivos nos minutos finais. Choro. Gritos. Tensão. Alegria. Pressão.

O Bahia chega à sua última partida deste disputado Brasileirão enfrentando no sábado, em Goiás, o já campeão Atlético. Sabendo que, para subir, terá que pôr água no chope da festa do título do rival goiano. Basta um ponto para o Bahia. Um empate. Este ponto valerá como um título.

A Série B, sabemos, é um campeonato que premia quatro campeões: os quatros vencedores que conseguem o acesso.

A situação é a seguinte: três times disputam duas vagas. Atlético Goainiense e Avaí, já garantidos na Série A do ano que vem, assistem de camarote à briga entre Bahia, Náutico e Vasco.

O Vasco, considerado favorito ao título no início do ano, corre um pequeno risco de não subir. Porém, não creio que a equipe carioca permitirá que o desastre de perder para o Ceará dentro de casa aconteça. Ao Bahia, já sabemos, basta empatar. A tarefa mais complicada, aparentemente, será a do Náutico: enfrentará um desesperado Oeste, que não pretende ser rebaixado para a Série C e precisa vencer justamente o Náutico para garantir que isto não aconteça.

Enfim... Tudo isso é mera especulação e observação de máquinas de calcular.

O Bahia só precisa de si.

O time vem demonstrando amadurecimento. Força de vontade. Entrega. Confiança.

Mantendo esse fator psicológico equilibrado; esse desejo de alcançar seu objetivo oxigenado; esse brilho nos olhos, não teremos nenhuma surpresa negativa. Ao contrário: seremos coroados com o acesso; o que se somará às conquistas do Bahia sub-15, sub-17 e sub-20 deste intenso e interessante ano tricolor.

Tivemos grandes conquistas – estruturais, econômicas e gerenciais – nos últimos tempos.

Que este trabalho seja recompensado com a alegria e sorrisos da torcida, jogadores, funcionários, comissão técnica, diretores, conselheiros...

Sabemos que há muito o que melhorar no Bahia; porém, há muito a se comemorar também.

“Não podemos superdimensionar umas coisas e desvalorizar outras”, bem disse o técnico Guto Ferreira após o jogo passado.

Hora de autoestima! Hora de fé!

Só falta um! Um ponto! Um jogo!

E, se depender das últimas partidas; só falta um minutinho a mais de partida!

BBMP!

Período

Colunista:

Coluna:

De:

Até: