Colunistas


Manno Góes

Coluna do Manno

Qui, 02/03/2017 às 07:11

Arena Gourmet

Músico l manno.goes@grupoatarde.com.br

Todo Carnaval tem seu fim. Finalmente o ano começa de verdade. O Bahia entra na Quaresma sem se dar ao luxo de jejum de gols, enfrentando hoje o Altos, do Piauí, pela Copa do Nordeste, de volta à Arena Fonte Nova. Ainda que com alguns desfalques, o Bahia é favorito na partida. E na Arena esse favoritismo cresce ainda mais.

A casa do Bahia, a Arena, é um espetáculo à parte de qualquer partida de futebol. Um estádio de primeira grandeza, que oferece conforto e infraestrutura de primeiro mundo. Muito se fala sobre se a reforma da Fonte Nova não descaracterizou o antigo estádio, palco de grandes duelos do Bahia. Alguns se queixam que houve, com a reestruturação do equipamento, um afastamento do antigo torcedor que frequentava os jogos.

Lembro que certa vez, muito tempo atrás, quando o aeroporto de Salvador estreou os Fingers – passarelas cobertas que levam o passageiro ao avião – algumas pessoas comentaram que o aeroporto havia perdido uma certa característica afetiva, um certo charme, que era o adeus de despedida de amigos e parentes, do alto da cobertura do aeroporto, vendo seus entes queridos partirem, correspondidos pelos que partiam, que se viravam a caminho do avião, acenando com as mãos, sorrisos e saudade. Assim como o aeroporto pode ter perdido esse apelo humano, a Arena Fonte Nova passa por avaliações parecidas: a ‘gourmetização’ do estádio elitizou a plateia e a torcida.

Creio que a relação torcida x acesso passa unicamente pelo preço dos ingressos.

Se não há mais a geral nem as arquibancadas de cimento, hoje as cadeiras numeradas oferecem mais organização e conforto.

O custo altíssimo da manutenção do estádio recebeu um auxílio luxuoso da iniciativa privada, sendo a cervejaria Itaipava a principal responsável por uma parceria muito necessária.

Casa cheia

Mas o preço dos ingressos, por mais dificuldades que haja, deve ser adequado para o perfil da grande parte da torcida baiana. Ingressos acessíveis, casa cheia. Isso vale tanto para o Bahia quanto para o Vitória, ou para qualquer outra equipe que utilize o espaço para a realização de suas partidas. O acesso ao bem-estar e ao conforto deve ser de todos. Oferecidos para todos. Não só para quem pode pagar mais. O mesmo vale para ônibus, escolas e hospitais.

A Arena Fonte Nova é um trunfo da cidade e do futebol baiano. Um dos mais belos estádios do mundo. Cada torcedor contribui para sua grandeza.

O acesso ao que é belo e bom passa por sensibilidade política e conscientização social. Não é porque está mais luxuoso e oferecendo melhores serviços que deve se tornar inacessível; ao contrário. Assim como um torcedor mais humilde deve ter acesso à magnitude da Arena, pessoas mais pobres devem ter acesso a voos e viagens inesquecíveis, sem que precisem correr até o avião debaixo de chuva ou de sol escaldante.

A Arena é de todos!

BBMP!!!

Período

Colunista:

Coluna:

De:

Até: