Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Fale com a Redação

Seg, 23/07/2012 às 11:36

Livro reúne ensaios do ex-ministro Celso Furtado

Você:


Seu Amigo:


Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com ","(vírgula).

Ex.: nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Máximo 200 caracteres


(*) Todos os campos são obrigatórios

Reportar Erro:

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo A TARDE preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Máximo 200 caracteres

(*) Todos os campos são obrigatórios

-A A+

O economista Celso Furtado (1920-2004) escondia um grande segredo: por trás de sua proficiência em teoria econômica, havia um grande intelectual, um escritor, um contista, um historiador, um jornalista e um ensaísta pouco conhecidos. Essa faceta só se revelaria plenamente em fevereiro de 1986, quando aceitou o convite do então presidente José Sarney para assumir o Ministério da Cultura - então uma estrutura precária, sem projeção, sem respaldo das políticas de Estado.

"O País saía de um túnel ansioso por respirar a plenos pulmões", disse Furtado, sabendo da circunstância histórica em que assumia sua função. Seu nome já tinha sido levantado, um ano antes, por um manifesto de intelectuais (ainda se respeitava a opinião dos intelectuais) que incluía Fernanda Montenegro, Oscar Niemeyer, Antonio Cândido, Gilda de Mello e Souza, Antonio Houaiss, Chico Buarque, Tom Jobim, entre dezenas de outros. Mas havia também críticas. "O que um economista pode fazer pela cultura?".

Passados 26 anos, a passagem de Celso Furtado pelos domínios da ação cultural é objeto da reflexão de um volume precioso para quem analisa o tema. "Ensaios sobre Cultura e o Ministério da Cultura" (Editora Contraponto), organizado por Rosa Freire d’Aguiar Furtado, a viúva do economista, que relembra da circunstância em que Furtado aceitou o convite. "Depois de muitos anos em Paris, vivíamos em Bruxelas, onde Celso chefiava a missão diplomática brasileira junto à Comunidade Econômica Europeia".

Ele ficou no cargo por três anos, entre 1986 e 1988, e deixou um legado duplo. O primeiro: ele foi o responsável pela elaboração da Lei Sarney, um mecanismo de incentivo fiscal que soçobrou após centenas de denúncias de desvios de finalidade. Mas seu esforço de compreensão sobre a cultura brasileira deflagrou um processo que ainda está em curso - uma antevisão daquilo que o ministro Gil chamaria de "do-in antropológico": microações contínuas, como estímulo às bandas de música, custeio de livros para edições internacionais, reedição de partituras. "Por todo o País, persistem frutos positivos da passagem de Celso Furtado na pasta da Cultura", assinala Ângelo Oswaldo, ex-chefe de gabinete de Furtado e hoje prefeito de Ouro Preto.

Foi o primeiro a sistematizar as informações sobre a área, encomendando à Fundação João Pinheiro um diagnóstico da cultura no País. "O objetivo último de uma política cultural deve ser liberar todas as formas criativas da sociedade. Jamais colocá-las sob tutela, mas garantir-lhes espaços para que elas possam desabrochar. A criatividade sendo a um só tempo um processo de ruptura e um processo que se alimenta de raízes do passado; é preciso garantir os espaços para atividades de vanguarda e contestação como se preocupar com a defesa do patrimônio acumulado", disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

ENSAIOS SOBRE CULTURA E O MINISTÉRIO DA CULTURA
Livraria Cultura (Av. Paulista 2073). Tel. (011) 3170-4033. Segunda, 19 h.

comentários(0)
  • comentar

    Esqueceu sua senha?

    Digite aqui seu e-mail

    Esqueceu seu login e/ou senha?

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

outras notícias

28/07/2014 às 08:29

Conselho de Cultura da Bahia homenageia João Ubaldo - Foto: Fernando Amorim | Ag. A TARDE

Conselho de Cultura da Bahia homenageia João Ubaldo

07/07/2014 às 08:34

Vale Cultura movimenta R$ 13,7 milhões em vendas

Após seis meses de sua instituição, os cartões do Vale...

18/06/2014 às 09:52

Curso para produção de eventos afro

O projeto Wá Jeun Imo Ki Nibó, que traduzindo do yorubá...

16/06/2014 às 19:05

Programação no Rio Vermelho traz homenagem a Tim Maia - Foto: Leandro França

Programação no Rio Vermelho traz homenagem a Tim Maia

< >

Imprimir

imagem

Antes de imprimir lembre-se da sua responsabilidade e comprometimento com o meio ambiente.

Se preferir, envie por e-mail ou gere um arquivo em .pdf

Deseja realmente imprimir? nãosim

Botão Fechar
Copyright © 1997 - Grupo A TARDE.Todos os direitos reservados.
Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA. CEP: 41.820 - 570 Tel.: ( 71 ) 3340 - 8500 | Redação: ( 71 ) 3340 - 8800
últimas notícias