Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Fale com a Redação

Ter, 03/07/2012 às 10:51

Obras marcam bicentenário do escritor Edward Lear

Você:


Seu Amigo:


Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com ","(vírgula).

Ex.: nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Máximo 200 caracteres


(*) Todos os campos são obrigatórios

Reportar Erro:

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo A TARDE preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Máximo 200 caracteres

(*) Todos os campos são obrigatórios

-A A+

O bicentenário do desenhista, pintor e escritor inglês Edward Lear (1812-1888) foi lembrado em junho com a montagem do musical "Fora do Bumbo", apresentado no teatro da Cultura Inglesa, e ganha agora duas publicações: o livro de ensaios "As Antenas do Caracol", que traz um estudo sobre sua obra da crítica Dirce Waltrick do Amarante, e "Viagem Numa Peneira", livro traduzido por ela com seus limeriques (limericks), poemas e canções. Ambos publicados pela Iluminuras, são volumes preciosos.

No Brasil, além do poeta Augusto de Campos (em "O Anticrítico"), da acadêmica Myriam Ávila e do escritor curitibano Valêncio Xavier (1933-2008), poucos se debruçaram sobre a obra do homem que consagrou o nonsense na literatura. E mais: que marcou definitivamente a linguagem de criadores como Lewis Carroll. Há um diálogo estreito entre as invenções linguísticas e os desenhos surrealistas de Lear com as criaturas bizarras de "Alice no País da Maravilhas".

"Viagem na Peneira" é uma bela introdução à obra do desenhista e ilustrador, um dos principais da era vitoriana. Traz, entre outras produções, alguns "limeriques" publicados no livro "A Book of Nonsense", versos breves escritos para crianças com ilustrações do autor, publicado originalmente em 1846. Custa crer que um século antes dos surrealistas, Lear já antecipasse (com humor) o imaginário alucinado de Dalí, criando moças de nariz comprido que contratam criadas para transportar o aleijão, ou garotas de queixo longo que tocam harpas douradas com a ajuda do mesmo.

O nonsense não era um gênero em voga quando Lear começou a fazer desenhos de aves por encomenda de uma sociedade mantenedora de um zoológico inglês. Contemporâneo de Lewis Carroll, ele se divertia, a exemplo do colega, criando neologismos e um bestiário fenomenal, além de uma botânica muito particular, em que predominam espécies como a "extranhaflora babylöides" (uma flor onde nascem bebês) ou a "muytagentia pontacabecia" que, como o próprio nome indica, é um pé de gente de ponta-cabeça. A tradução desses nomes impossíveis só poderia mesmo ter sido feita por Dirce Waltrick do Amarante, autora de uma tese sobre Lear e estudiosa das relações que James Joyce e outros autores experimentais tiveram com suas invenções literárias.

Nascido numa gigantesca família (eram 21 irmãos) de classe média, em Holloway, subúrbio de Londres, o ilustrador foi criado por uma irmã mais velha. Epilético, Lear evitava o contato social (em sua época, a doença era associada à possessão demoníaca). Tornando-se uma criança depressiva, ele procurou compensar os longos períodos de reclusão com viagens ao exterior, pagas com seus desenhos, pinturas e direitos autorais (seu primeiro livro, que traz ilustrações de papagaios, foi publicado aos 19 anos).

Suas ambições literárias, de certo modo, foram eclipsadas pelo êxito de seus limeriques. Lear gostava das aliterações da poesia de Tennyson, ancorada nos mitos gregos e nas lendas medievais. Planejava ilustrar seus livros, mas nunca chegou a concluir o projeto (alguns desenhos esparsos foram encontrados após sua morte). Isso não significa que Lear tenha produzido uma literatura menor. Por meio de seus neologismos, que contrastam com a forma do soneto tradicional, ele criou peças literárias de imenso apelo entre as crianças (como "A Coruja e a Gatinha", uma da mais populares canções infantis inglesas até hoje).

A autora de "As Antenas do Caracol" diz em seu livro que a origem dos poemas cômicos conhecidos como "limeriques" foi o zoológico de lorde Stanley. Aos 18 anos, desenhando araras e periquitos, resolveu escrever poemas curtos, de quarto e cinco versos, que ele chamava de "nonsense", ou "old persons" (velhos). Ninguém sabe ao certo o porquê dessa denominação, segundo Dirce Waltrick. Ela pode estar relacionada ao ritmo dos poemas, eventualmente inspirados nas melodias ou danças populares do condado de Limerick, na Irlanda. A interação com o desenho mostra que Lear, antes dos poetas concretos, buscou uma correspondência visual para o verbo, capturado no momento de sua metamorfose e transformado em música pelo controle das rimas e do ritmo da poesia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

comentários(0)
  • comentar

    Esqueceu sua senha?

    Digite aqui seu e-mail

    Esqueceu seu login e/ou senha?

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

outras notícias

28/07/2014 às 08:29

Conselho de Cultura da Bahia homenageia João Ubaldo - Foto: Fernando Amorim | Ag. A TARDE

Conselho de Cultura da Bahia homenageia João Ubaldo

07/07/2014 às 08:34

Vale Cultura movimenta R$ 13,7 milhões em vendas

Após seis meses de sua instituição, os cartões do Vale...

18/06/2014 às 09:52

Curso para produção de eventos afro

O projeto Wá Jeun Imo Ki Nibó, que traduzindo do yorubá...

16/06/2014 às 19:05

Programação no Rio Vermelho traz homenagem a Tim Maia - Foto: Leandro França

Programação no Rio Vermelho traz homenagem a Tim Maia

< >

Imprimir

imagem

Antes de imprimir lembre-se da sua responsabilidade e comprometimento com o meio ambiente.

Se preferir, envie por e-mail ou gere um arquivo em .pdf

Deseja realmente imprimir? nãosim

Botão Fechar
Copyright © 1997 - Grupo A TARDE.Todos os direitos reservados.
Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA. CEP: 41.820 - 570 Tel.: ( 71 ) 3340 - 8500 | Redação: ( 71 ) 3340 - 8800
últimas notícias