Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Fale com a Redação

Qui, 05/12/2013 às 09:39 | Atualizado em: 05/12/2013 às 10:24

Ney Matogrosso privilegia nova geração em Atento aos Sinais

Roberta Pennafort

Você:


Seu Amigo:


Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com ","(vírgula).

Ex.: nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Máximo 200 caracteres


(*) Todos os campos são obrigatórios

Reportar Erro:

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo A TARDE preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Máximo 200 caracteres

(*) Todos os campos são obrigatórios

-A A+
  • Marcelo Faustini | Divulgação

    Oito das 14 faixas do CD de Ney Matogrosso são de jovens compositores

Ney Matogrosso começou a selecionar o repertório de Atento aos Sinais quatro anos atrás, muito antes de bater nas ruas a onda de protestos de jovens. Atual, o CD é aberto com duas músicas que reverberam as manifestações populares.

"Todo mundo tem direito à vida/ e todo mundo tem direito igual", apregoa Rua da Passagem, de Arnaldo Antunes e Lenine. "Fogo, fogo, fogo, água/ incêndio nas ruas/ bomba, bomba, bomba, praça/ vielas, ratos, figuras nuas", descreve Incêndio, de Pedro Luís.

"Quando vi o que aconteceu nas ruas, percebi que tinha um diálogo. Aquelas tais atenas que dizem que os artistas têm estão ligadas. Não prevejo o futuro, mas estou atento", diz Ney, que acompanhou com interesse o noticiário.

"Os Black Blocs não vão resolver o capitalismo, ele vai se esvair por si próprio, assim como aconteceu com o comunismo. Tem que acontecer alguma coisa. A gente está num momento de transição. Todos estão insatisfeitos. As pessoas têm o direito de expor seus sentimentos."

Aos 72 anos, o intérprete está alerta para a produção da nova geração da música. Oito das 14 faixas do CD são de jovens compositores. Em seu quarto, ele tem pilhas de material mandado por autores que sonham ser gravados por uma das vozes mais prestigiosas da MPB. Mas ele não ficou só nisso.

Em viagem a Maceió, leu num jornal sobre o trabalho do rapper Vitor Pirralho e pediu o CD à produtora. Ficou com Tupi Fusão (Vitor/Dinho Zampier/Pedro Ivo Euzébio/André Meira), uma aula de história do Brasil sob a narrativa indígena. Do trio paulistano Zabomba, quis a inspirada Pronomes.

Da banda carioca Tono, ouviu um CD disponível na internet e escolheu a derramada Não Consigo e o divertido Samba do BlackBerry. No aclamado CD Nó na Orelha, de Criolo, encontrou Freguês da Meia-Noite.

"Se você não correr atrás, não chega onde quer. Não sou de esperar por nada", justifica Ney, que vem testando essas músicas no show com que viaja desde fevereiro. Ele preferiu chegar ao estúdio com as interpretações mais maduras.

De tonalidade pop e rock, o CD tem um Paulinho da Viola nada óbvio, Roendo as Unhas, duas composições de Itamar Assumpção, Noite Torta e Isso Não Vai Ficar Assim, e A Ilusão da Casa, de Vitor Ramil.

Um dos shows do ano, Atento aos Sinais poderia ter um caráter retrospectivo, já que neste ano ele completou 40 anos de carreira, iniciada com o lendário álbum dos Secos & Molhados que trazia O Vira, Sangue Latino e Rosa de Hiroshima. Só que Ney rechaça autoelogios.

Mais ainda a ideia de incluir sucessos com a finalidade de afagar seu público. "Não acho que seja obrigado a cantar certas músicas só para agradar. Bis, por exemplo, é uma coisa recente na minha vida".

Ele se vê no sujeito andrógino de cara pintada que chocou tanto quanto arrebatou o Brasil à frente do grupo - e que se mantém magnético. "As novas gerações chegam a mim por causa daquele camarada do Secos & Molhados. Ali eu era agressivo, porque precisava ser. Eu não sabia estar no palco e ser aplaudido. Agora sou mais receptivo, quero acariciar a plateia, e não agredi-la. Não fico analisando essa história de 40 anos. Vou andar até onde for capaz."

O resgate da história do grupo no livro Meteórico Fenômeno - Memórias de um ex-Secos & Molhados criou celeuma. O livro de Gerson Conrad não foi autorizado pelo letrista João Ricardo, e sua imagem foi apagada da publicação. Ney não se incomodou - é contra a necessidade de autorização prévia de biografados. "Não tenho nada a esconder, não estou nem aí. Sou a favor das liberdades totais. Se alguém for escrever um livro sobre mim, não terá novidade." A ressalva é quanto à proteção judicial no caso de calúnia. Nos anos 80, processou a Revista Amiga e a TV Manchete, por afirmarem que ele estava com Aids, e ganhou. "Não dá para só defender a liberdade de expressão do outro e a Justiça não te defender."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ficha Técnica

Artista: Ney Matogrosso
Álbum: Atento aos Sinais
Gravadora: Som Livre
Ano: 2013
Valor: R$ 24,90

comentários(0)
  • comentar

    Esqueceu sua senha?

    Digite aqui seu e-mail

    Esqueceu seu login e/ou senha?

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

outras notícias

09/06/2014 às 14:03

Ney Matogrosso retorna ao TCA com o show

Ney Matogrosso retorna ao TCA com o show "Atento aos Sinais"

18/07/2014 às 10:21

Ney Matogrosso faz duas apresentações do show no TCA - Foto: Marcelo Faustini | Divulgação

Ney Matogrosso faz duas apresentações do show no TCA

01/07/2014 às 14:43

Ney Matogrosso será homenageado no Grammy Latino - Foto: Marcos Hermes | Divulgação

Ney Matogrosso será homenageado no Grammy Latino

07/07/2014 às 09:52

Thiaguinho recebe bandas de rock no

Thiaguinho recebe bandas de rock no "Música Boa ao Vivo"

< >

Imprimir

imagem

Antes de imprimir lembre-se da sua responsabilidade e comprometimento com o meio ambiente.

Se preferir, envie por e-mail ou gere um arquivo em .pdf

Deseja realmente imprimir? nãosim

Botão Fechar
Copyright © 1997 - Grupo A TARDE.Todos os direitos reservados.
Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA. CEP: 41.820 - 570 Tel.: ( 71 ) 3340 - 8500 | Redação: ( 71 ) 3340 - 8800
últimas notícias