Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Fale com a Redação

Seg, 28/01/2013 às 19:15

Aplicativo WhatsApp acusado de violar privacidade de usuário

Agência France Presse

Você:


Seu Amigo:


Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com ","(vírgula).

Ex.: nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Máximo 200 caracteres


(*) Todos os campos são obrigatórios

Reportar Erro:

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo A TARDE preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Máximo 200 caracteres

(*) Todos os campos são obrigatórios

-A A+

Autoridades do Canadá e da Holanda, que zelam pela proteção da informação privada, acusaram nesta segunda-feira, 28, o popular aplicativo para celulares inteligentes WhatsApp de violar várias leis relacionadas à questão.

O Comissariado para a Proteção da Privacidade do Canadá e a autoridade holandesa de proteção de dados pessoais, a CBP, fizeram uma investigação conjunta do WhatsApp, sistema de mensagens instantâneas para smartphones.

Para usar o serviço do WhatsApp, os usuários devem autorizar o acesso do aplicativo a toda a sua agenda de endereços. Todos os números de telefone em seu dispositivo móvel são enviados para o aplicativo para facilitar a identificação de outros usuários do programa.

Ao invés de apagar o número dos usuários, o aplicativo os mantém, enquanto as leis canadenses e holandesas preveem que a salvaguarda de informação deve ter um propósito determinado. Só os usuários do aplicativo que tiverem aparelhos iPhone, da Apple, com o software iOS6 poderão adicionar manualmente os contatos e evitar a coleta automática de dados.

O Comissariado e a CBP também informaram que no começo da investigação, mensagens enviadas pelo aplicativo não estavam criptografadas e podiam ser interceptadas, especialmente quando enviadas de uma rede Wi-Fi não protegida. Em setembro de 2012, o WhatsApp reagiu à investigação em curso e começou a criptografar seu serviço de mensagens.

De acordo com as duas autoridades, o WhatsApp gera senhas para a troca de mensagens usando a informação associada aos dispositivos. Estas senhas podem ser facilmente reveladas. Um terceiro poderia, portanto, enviar e receber em nome dos usuários sem seus conhecimentos. O WhatsApp também mudou seu sistema, usando uma chave mais segura, gerada aleatoriamente.

O Comissário e a CBP colaboraram na investigação após uma denúncia apresentada em 26 de janeiro de 2012, mas apresentaram informes em separado, segundo as leis que protegem a privacidade dos dois países.

Em agosto, o WhatsApp anunciou no microblog Twitter ter superado em um único dia os 10 bilhões de mensagens compartilhadas.

comentários(0)
  • comentar

    Esqueceu sua senha?

    Digite aqui seu e-mail

    Esqueceu seu login e/ou senha?

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

outras notícias

29/08/2014 às 14:54

Ouvir música favorita pode ajudar a tratar perda de memória - Foto: Reprodução

Ouvir música favorita pode ajudar a tratar perda de memória

28/08/2014 às 19:14

Estudo mostra por que a música nos deixa nostálgicos - Foto: Creative Commons | Flickr | Janitors

Estudo mostra por que a música nos deixa nostálgicos

28/08/2014 às 16:58

Testes de vacina contra o ebola começam em setembro - Foto: AP Photo

Testes de vacina contra o ebola começam em setembro

27/08/2014 às 20:07

Cientistas afirmam que é possível reescrever más lembranças - Foto: Divulgação

Cientistas afirmam que é possível reescrever más lembranças

< >

Imprimir

imagem

Antes de imprimir lembre-se da sua responsabilidade e comprometimento com o meio ambiente.

Se preferir, envie por e-mail ou gere um arquivo em .pdf

Deseja realmente imprimir? nãosim

Botão Fechar
Copyright © 1997 - Grupo A TARDE.Todos os direitos reservados.
Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA. CEP: 41.820 - 570 Tel.: ( 71 ) 3340 - 8500 | Redação: ( 71 ) 3340 - 8800
últimas notícias