Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Fale com a Redação

Qua, 19/09/2012 às 13:25

Audiência dos Correios no TST acaba sem acordo

Célia Froufe

Você:


Seu Amigo:


Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com ","(vírgula).

Ex.: nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Máximo 200 caracteres


(*) Todos os campos são obrigatórios

Reportar Erro:

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo A TARDE preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Máximo 200 caracteres

(*) Todos os campos são obrigatórios

-A A+

Terminou sem acordo a audiência de tentativa de conciliação entre a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) e a Federação Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telégrafos (Fentect) no Tribunal Superior do Trabalho (TST). Profissionais da área estão em greve em alguns Estados - o total de adesão varia de acordo com informações prestadas pela ECT e pelos sindicatos.

Conforme a Fentect, com a recusa da proposta do TST pela empresa, as paralisações continuarão e poderão ser ampliadas. Além de uma série de reivindicações sociais, a Fentect exige reajuste salarial de 43,7%. Segundo a Federação, o porcentual busca recuperar o poder aquisitivo desde 1994, início do Plano Real. "Achamos que a empresa tem condições de repassar mais do que foi oferecido", disse o secretário geral de Fentect, Edson Dorta, durante a audiência. A empresa ofereceu reajuste de 5,2%.

A proposta apresentada pela federação estava muito acima da capacidade dos Correios", argumentou o vice-presidente de gestão de pessoas da companhia, Larry de Almeida. A juíza do TST Maria Cristina Peduzzi afirmou que identificou um "abismo" entre os porcentuais apresentados pelos dois lados. "As propostas e contrapropostas que estão sendo avaliadas aqui são muito distantes uma da outra", considerou.

A proposta da juíza foi de reajuste de 5,2% sobre todos os salários, além de um aumento linear de R$ 80,00. A sugestão foi de que os benefícios dos trabalhadores ficam todos mantidos, com reajuste dos vales alimentação e refeição em 8,84%. Os reajustes dos demais benefícios também seria de 5,2%, como o de crédito para a creche.

Além disso, a ministra propôs a criação de mesas temáticas para discutir questões raciais, de gênero, anistia e condições de trabalho na empresa. "Temos dificuldades em saber as repercussões que isso pode ocasionar para os Correios sem o conhecimento das condições financeiras da empresa. Mesmo assim faço a tentativa de conciliação", observou a Maria Cristina.

A ECT rejeitou a proposta, argumentando que a previsão de crescimento das receitas da empresa este ano é de 8%, enquanto o de despesa com pessoal, de 18%. "A nossa proposta inicial gera impacto de R$ 455 milhões. A nova proposta levaria a R$ 854,6 milhões. Fica muito difícil de podermos acolher financeiramente a sugestão, pois o impacto realmente é grande", justificou o porta-voz da companhia.

O sindicato solicitou à ministra uma nova audiência para tentar uma conciliação com a empresa mais uma vez. "A greve vai se estender e o prejuízo para os Correios será maior. Estamos em greve com a intransigência da empresa e isso vai causar prejuízo para todos", disse o sindicalista. De acordo com a Federação, os Correios realizaram dois reajustes da tarifa postal este ano, com alta superior a inflação, um em maio e outro em agosto, que não foram repassados para os trabalhadores.

A ECT negou o aumento duplo, afirmando que a lei só permite a elevação de preços uma vez por ano. Além disso, Dorta salientou que o piso salarial da categoria é de R$ 942,00, proporcionalmente inferior ao que era pago há cerca de 10 anos, quando os profissionais ganhavam, como base, o equivalente a três salários mínimos. "Isso demonstra perda", comparou o secretário da Fentect.

comentários(0)
  • comentar

    Esqueceu sua senha?

    Digite aqui seu e-mail

    Esqueceu seu login e/ou senha?

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

outras notícias

24/10/2014 às 11:50

Hong Kong: manifestantes farão referendo sobre protesto

Os manifestantes pró-democracia de Hong Kong irão...

24/10/2014 às 11:28

Congresso dos EUA pode dificultar acordo com Irã

A chefe de negociações dos Estados Unidos para o acordo...

24/10/2014 às 10:11

Ex-líder polonês nega acordo para dividir Ucrânia

O ex-primeiro-ministro da Polônia, Donald Tusk, negou...

23/10/2014 às 20:40

Acordo é 'ato inicial' da reforma política, diz Janot

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, elogiou a...

< >

Imprimir

imagem

Antes de imprimir lembre-se da sua responsabilidade e comprometimento com o meio ambiente.

Se preferir, envie por e-mail ou gere um arquivo em .pdf

Deseja realmente imprimir? nãosim

Botão Fechar
Copyright © 1997 - Grupo A TARDE.Todos os direitos reservados.
Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA. CEP: 41.820 - 570 Tel.: ( 71 ) 3340 - 8500 | Redação: ( 71 ) 3340 - 8800
últimas notícias