Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Fale com a Redação

Dom, 19/08/2012 às 11:30

No julgamento, Lewandowski é contraponto ao relator

Você:


Seu Amigo:


Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com ","(vírgula).

Ex.: nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Máximo 200 caracteres


(*) Todos os campos são obrigatórios

Reportar Erro:

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo A TARDE preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Máximo 200 caracteres

(*) Todos os campos são obrigatórios

-A A+

Uma frase dita pelo ministro Ricardo Lewandowski e atribuída a um deslize marcará todo o julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal. Ao liberar em junho a ação penal para ser julgada, Lewandowski afirmou que sua função, como revisor da ação penal, era fazer um contraponto ao voto do relator, o ministro Joaquim Barbosa.

Nesta segunda-feira, Lewandowski deve confirmar essa tendência ao julgar as acusações contra os primeiros réus do caso. Ao contrário do relator, Lewandowski pode votar pela absolvição de alguns dos crimes imputados aos réus que estão em julgamento nessa primeira fase - o deputado João Paulo Cunha (PT-SP), o empresário Marcos Valério e seus sócios Cristiano Paz e Ramon Hollerbach. Essa tensão entre os dois deve se repetir no julgamento dos demais itens, conforme acreditam integrantes da Corte.

Reservadamente, ministros avaliam que Joaquim Barbosa, inclusive por ter sido procurador da República, tende a concordar com os argumentos da denúncia - na sessão de quinta-feira, o revisor provocou o relator dizendo que ele tinha inclinação a seguir o modelo da acusação. "Não venha me ofender Vossa Excelência também", reagiu Barbosa.

Na quinta-feira passada, veio o bate-boca. Eles estavam na sala de lanches. Antes de iniciada a sessão, discutiam a metodologia de votação. Barbosa queria fatiar o julgamento; Lewandowski queria que os ministros lessem integralmente seus votos. Quase chegaram às vias de fato. "Foi quente, aos gritos", testemunhou Marco Aurélio Mello. "Tudo muito desagradável, expondo a instituição. Não pode deixar descambar para o campo das diferenças pessoais. O Supremo tem que ser visto como um fator de equilíbrio, de serenidade."

Lewandowski, irrequieto, encrencou também com o ministro Gilmar Mendes. "Você armou isso", acusou o revisor se dirigindo ao colega. Mendes evitou o confronto. "Quando um não quer, dois não brigam", justificou Mendes depois.

Há cinco anos, a situação era antagônica. Às vésperas de o tribunal decidir se receberia ou não a denúncia feita pelo Ministério Público contra os 40 investigados, Barbosa e Lewandowski trocaram impressões sobre o processo mais de uma vez, inclusive durante um jantar com a participação de outros dois ministros. Naquela época, os ministros mais novos suspeitavam de um movimento arquitetado pelos mais antigos para rejeitar integralmente a denúncia, livrando parte dos investigados. Com divergências pontuais entre Lewandowski e Barbosa, a denúncia foi recebida. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

comentários(0)
  • comentar

    Esqueceu sua senha?

    Digite aqui seu e-mail

    Esqueceu seu login e/ou senha?

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

outras notícias

19/07/2014 às 09:21

Procurador-geral defende cassação de Arruda

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, defendeu...

18/07/2014 às 14:20

Pizzolato: Itália julga pedido de extradição em outubro

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou...

16/07/2014 às 18:44

Depois de renunciar, Clésio deve se afastar da política

O ex-senador Clésio Andrade (PMDB-MG) vai se afastar da...

15/07/2014 às 17:09

PPS cobra recuperação do dinheiro desviado no mensalão

O líder do PPS na Câmara, deputado federal Rubens Bueno...

< >

Imprimir

imagem

Antes de imprimir lembre-se da sua responsabilidade e comprometimento com o meio ambiente.

Se preferir, envie por e-mail ou gere um arquivo em .pdf

Deseja realmente imprimir? nãosim

Botão Fechar
Copyright © 1997 - Grupo A TARDE.Todos os direitos reservados.
Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA. CEP: 41.820 - 570 Tel.: ( 71 ) 3340 - 8500 | Redação: ( 71 ) 3340 - 8800
últimas notícias