Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Sáb, 01/09/2012 às 08:37

'Kassab não é um peso nem uma mola'

Daiane Cardoso

Você:


Seu Amigo:


Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com ","(vírgula).

Ex.: nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Máximo 200 caracteres


(*) Todos os campos são obrigatórios

Reportar Erro:

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo A TARDE preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Máximo 200 caracteres

(*) Todos os campos são obrigatórios

-A A+

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, disse nesta sexta-feira que a gestão Gilberto Kassab (PSD) é melhor do que indicam as pesquisas e que os adversários "mentem" ao criticá-la. Em queda nas pesquisas de intenção de voto, o tucano negou que o prefeito seja um peso na campanha. "Não é um peso nem uma mola, é uma realidade", disse, ao encerrar a série Entrevistas Estadão com os 12 candidatos a prefeito.

Serra rebateu críticas de seus rivais, especialmente do PT, a Kassab. O atual líder nas pesquisas, Celso Russomanno (PRB), também foi alvo do tucano. "O Kassab tem uma gestão na Prefeitura que é bem melhor do que a avaliação que neste momento tem. Os adversários, quando fazem críticas à gestão, mentem." Kassab é reprovado por 48% dos paulistanos, segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada ontem. O prefeito ainda não apareceu no programa de Serra pedindo votos ao tucano.

O candidato defendeu seus feitos como prefeito e governador. Foi assim quando Serra respondeu sobre como um prefeito pode ajudar o Estado na segurança e sobre propostas apresentadas por Russomanno na quarta-feira, também na série Entrevistas Estadão. Além de pregar "integração" entre Guarda Civil Metropolitana e as Polícias Civil e Militar, o candidato do PRB reivindicou a ideia da Operação Delegada.

"Certos candidatos propõem criar coisas que já existem, como a integração da Guarda Civil com a PM", afirmou Serra, que promete dobrar a Operação Delegada. "Na realidade foi ideia do Coronel Camilo (candidato a vereador) e do Kassab, que eu topei quando era governador." Para o tucano, a proposta de Russomanno de colocar vigias de rua para auxiliar PM e GCM "não tem pé nem cabeça".

Ao falar de transportes, Serra disse que é mais importante investir na ampliação da rede de trilhos e em corredores de ônibus que adotar um bilhete único mensal, como propõe o petista Fernando Haddad. "Me parece mais jogada eleitoral do que algo que tenha a ver com questões fundamentais do sistema", afirmou. O tucano defendeu a parceria entre Prefeitura e Estado para construir linhas de metrô e criticou a falta de investimento da gestão Marta Suplicy no setor. "Sabe quanto a gestão do PT colocou no Metrô? R$ 1."

Serra defendeu sua proposta de fazer creches em estações de trem e metrô e enfatizou a ampliação das vagas. "Quando eu assumi em 2005, havia 60 mil vagas. Hoje tem perto de 210 mil, ou seja, aumentou três vezes e meio. É o maior crescimento da história."

O candidato minimizou as pesquisas recentes - nesta sexta-feira, levantamento Ibope/Estado/TV Globo apontou empate técnico entre Serra e Haddad. "O que eu sempre aprendi é que é preciso ter uma imensa paciência."

Confiante de que chegará ao segundo turno, Serra alegou que sua rejeição - a mais alta na disputa - é fruto do alto conhecimento entre os eleitores. "Não há rejeição a mim nos aspectos morais, não há rejeição do ponto de vista da capacidade de fazer as coisas acontecerem", disse. "Não estou atrás nem de padrinho, nem de adversários."

Serra admitiu que enfrenta uma disputa difícil, mas avalia que a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha de Haddad não é decisiva - o tucano disse ter derrotado candidatos apoiados pelo petista na cidade e no Estado. "O Lula apoiar não é algo definitivo, mas é claro que tem significado e peso sempre."

Renúncia

Ao ser questionado sobre a renúncia em 2006, o tucano disse que deixou a Prefeitura para evitar uma vitória do PT no Estado. "Do jeito que estava o quadro eleitoral, era possível que o PT levasse, e isso não podia acontecer. Eu sai para governador dizendo: eu saio da Prefeitura, mas eu não saio da cidade."

Serra afirmou que, se eleito, vai cumprir o mandato. "Estou sendo candidato para valer. Não temos problema em São Paulo, o Alckmin vai para a reeleição. O quadro hoje é outro. Estou sendo eleito para ficar, não vou de novo para presidente porque eu já fui duas vezes. Eu me realizo na vida pública servindo ao próximo." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

comentários(1)
  • comentar

    Esqueceu sua senha?

    Digite aqui seu e-mail

    Esqueceu seu login e/ou senha?

Paulo Naka, 02/09/2012 às 07:57

"Kassab É um peso e um mAla, suicídio político". Serra querendo defender o impossível, deveria ignorá-lo e deixá-lo distante da. campanha e mantê-lo é como jogar b.. no ventilador.

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

outras notícias

31/10/2012 às 08:46

Serra diz a tucanos que renovação é coisa do PT

O candidato derrotado do PSDB à Prefeitura de São Paulo,...

29/10/2012 às 18:03

Aloysio atribui derrota de Serra à negligência do PSDB

O senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) atribuiu à...

28/10/2012 às 14:24

Maluf diz que erro de Serra ajudou Haddad em SP

O ex-prefeito de São Paulo e deputado federal Paulo Maluf...

28/10/2012 às 11:57

São Paulo representará maior vitória do PT, diz Padilha

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou na manhã...

< >

Imprimir

imagem

Antes de imprimir lembre-se da sua responsabilidade e comprometimento com o meio ambiente.

Se preferir, envie por e-mail ou gere um arquivo em .pdf

Deseja realmente imprimir? nãosim

Botão Fechar
Copyright © 1997 - Grupo A TARDE.Todos os direitos reservados.
Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA. CEP: 41.820 - 570 Tel.: ( 71 ) 3340 - 8500 | Redação: ( 71 ) 3340 - 8800
últimas notícias