Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Fale com a Redação

Seg, 24/09/2012 às 19:48

Aécio é cauteloso sobre uso do mensalão na campanha

Elder Ogliari

Você:


Seu Amigo:


Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com ","(vírgula).

Ex.: nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Máximo 200 caracteres


(*) Todos os campos são obrigatórios

Reportar Erro:

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo A TARDE preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Máximo 200 caracteres

(*) Todos os campos são obrigatórios

-A A+

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi cauteloso ao falar do uso do julgamento do mensalão na campanha política deste ano por adversários do PT, nesta segunda-feira, em Porto Alegre, onde gravou depoimentos de apoio para candidatos tucanos a dez prefeituras do Rio Grande do Sul. "Essa questão se coloca hoje como algo que paira sobre toda a classe política", afirmou. "Eu tenho muito cuidado de utilizar ou fazer com que o mensalão seja o principal argumento contra as candidaturas do PT", prosseguiu, para sustentar que o partido tem argumentos mais fortes do que o julgamento daquele caso para apresentar ao eleitor. "É a nossa capacidade de gestão, é a nossa eficiência", enumerou.

Questionado pelos repórteres sobre a relutância que, segundo o presidente do PT, Rui Falcão, a candidatura de José Serra (PSDB) à prefeitura de São Paulo teria de usar o chamado "mensalão petista" para não ser provocado a explicar o "mensalão mineiro", Aécio sustentou que "todos os processos que estão sendo examinados devem ir a julgamento, cada um a seu tempo". Também disse esperar que, ao final, "os culpados sejam condenados e os inocentes inocentados".

O senador mineiro foi tratado pelos concorrentes às prefeituras como candidato à presidência da República em 2014 e falou a eles com o discurso de quem vai concorrer, embora, formalmente tenha dito que "é prematuro anteciparmos candidaturas". Para Aécio, os brasileiros estão cansados do modelo de governo do PT, que teria colocado o Estado a serviço do projeto de poder do partido e, ao mesmo tempo, perdido as chances que teve de fazer as reformas necessárias ao País, como a fiscal e a do próprio Estado. "Diferentemente dos grandes partidos de hoje, o nosso tem um projeto nacional que em pouco tempo haverá de confrontar-se com este que está aí", ressaltou, prevendo que caberá aos tucanos liderar a oposição para apresentar ao Brasil "um projeto melhor que esse que está em execução".


Publicidade

Publicidade

comentários(0)
  • comentar

    Esqueceu sua senha?

    Digite aqui seu e-mail

    Esqueceu seu login e/ou senha?

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

outras notícias

25/10/2015 às 09:21

Disputa iniciada na campanha eleitoral prossegue nos tribunais e no Congresso

A polarização da campanha de 2014 se estendeu para o...

25/10/2015 às 09:18

Campanhas eleitorais de 2014 esconderam crise, dizem marqueteiros políticos

Exatamente um ano após uma das mais duras eleições...

05/03/2015 às 08:16

Aécio contrata advogado que atuou no mensalão para acompanhar Lava Jato

Desde que soube que havia sido citado lateralmente pelo...

10/02/2016 às 12:36

Juíza rejeita recurso de Azeredo, condenado a 20 anos no mensalão tucano

A juíza Melissa Costa Lage, da 9ª Vara Criminal de Belo...

< >

Imprimir

imagem

Antes de imprimir lembre-se da sua responsabilidade e comprometimento com o meio ambiente.

Se preferir, envie por e-mail ou gere um arquivo em .pdf

Deseja realmente imprimir? nãosim

Botão Fechar
Copyright © 1997 - Grupo A TARDE.Todos os direitos reservados.
Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA. CEP: 41.820 - 570 Tel.: ( 71 ) 3340 - 8500 | Redação: ( 71 ) 3340 - 8800
últimas notícias