Pular navegação e ir direto para o conteúdo

Fale com a Redação

Qua, 30/10/2013 às 00:00 | Atualizado em: 30/10/2013 às 10:56

Das 11 emendas para a LDO, só 4 têm condições de aproveitamento

Rita Conrado

Você:


Seu Amigo:


Para enviar para outro(s) amigo(s), separe os e-mails com ","(vírgula).

Ex.: nome@exemplo.com.br, nome@exemplo.com.br

Máximo 200 caracteres


(*) Todos os campos são obrigatórios

Reportar Erro:

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas pelo A TARDE preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Máximo 200 caracteres

(*) Todos os campos são obrigatórios

-A A+

Foi transferida para hoje a apresentação do parecer da Comissão de Orçamento, Finanças e Fiscalização da Câmara de Salvador sobre Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Segundo o presidente da comissão, Cláudio Tinoco (DEM), o projeto - que vai incorporar só quatro emendas de vereadores - pode ser votado na segunda-feira, 4.

O número reduzido de emendas a um projeto que foi discutido em cinco audiências públicas e que define metas e prioridades da administração municipal é resultado da falta de entendimento em relação ao que dispõe a lei.

As emendas aproveitadas são de autoria de Heber Santana (PSC), Edvaldo Brito (duas), do PTB, e Luiz Carlos (PRB). Mas das 111 emendas propostas por parlamentares, a maioria trata de intervenções em áreas da cidade. "A LDO define eixos e áreas prioritários da administração. Não dá para incorporar ações como cobertura de canais, implantação de postos de saúde ou construção de escadarias", diz Tinoco, que ressalta ser essa a dificuldade em incorporar sugestões das comunidades nas audiências.

Participação

Mas Tinoco afirma que essas propostas de ações específicas podem ser aproveitadas durante a discussão da Lei Orçamentária Anual (LOA), que será iniciada logo após a aprovação da LDO e do Plano Plurianual (PPA). O orçamento (LOA) será votado em dezembro, já que é condição para que o Legislativo entre em recesso em janeiro.

O líder da oposição, Gilmar Santiago (PT), diz que o cenário já será bem diferente. "Quando as emendas da sociedade forem apresentadas durante a discussão do orçamento, já estarão definidas as diretrizes orçamentárias e será preciso dizer de onde virá o dinheiro", assinala.

"O ideal é que a sociedade participe de todo esse processo, desde a discussão da LDO, como prevê o Orçamento Participativo (OP)", afirma, ressaltando que o município ainda não implantou o OP, que é um mecanismo governamental que permite à população decidir as prioridades de investimento em obras e serviços feitos com o orçamento da prefeitura.

comentários(0)
  • comentar

    Esqueceu sua senha?

    Digite aqui seu e-mail

    Esqueceu seu login e/ou senha?

AVISO: O conteúdo de cada comentário é de única e exclusiva responsabilidade do autor da mensagem.

outras notícias

30/09/2014 às 19:25

Datafolha indica Dilma com 40%; Marina 25%; Aécio, 20% - Foto: Agência Reuters

Datafolha indica Dilma com 40%; Marina 25%; Aécio, 20%

30/09/2014 às 18:48

Dilma: País tem que ter combate sem trégua à corrupção - Foto: Ueslei Marcelino | Ag. Reuters

Dilma: País tem que ter combate sem trégua à corrupção

28/09/2014 às 19:37

Souto e Neto convocam entrevista sobre Instituto Brasil - Foto: Margarida Neide | Ag. A TARDE | 11.07.2014

Souto e Neto convocam entrevista sobre Instituto Brasil

24/09/2014 às 16:40

Ibope: posts sobre eleição dobram nas redes sociais - Foto: Divulgação

Ibope: posts sobre eleição dobram nas redes sociais

< >

Imprimir

imagem

Antes de imprimir lembre-se da sua responsabilidade e comprometimento com o meio ambiente.

Se preferir, envie por e-mail ou gere um arquivo em .pdf

Deseja realmente imprimir? nãosim

Botão Fechar
Copyright © 1997 - Grupo A TARDE.Todos os direitos reservados.
Rua Prof. Milton Cayres de Brito n° 204 - Caminho das Árvores - Salvador/BA. CEP: 41.820 - 570 Tel.: ( 71 ) 3340 - 8500 | Redação: ( 71 ) 3340 - 8800
últimas notícias