Centro Norte Baiano

Da Redação Sex , 13/04/2018 às 12:24

Santo Estevão sedia torneio de pesca com ações de conscientização ambiental



Começa nesta sexta-feira o II Torneio Cabras da Pesca, em Santo Estevão, com uma programação especial voltada à conscientização ambiental. O evento, que prossegue até sábado (14), contará com a presença da Bahia Pesca, empresa vinculada à Secretaria de Agricultura do Estado que, em parceria com a Secretaria de Turismo do Estado, apresentará o sistema bioflocos, uma técnica inovadora de criação de peixe em locais com baixo suprimento de água, e montará uma área de “pesque e solte” para a educação ambiental de crianças.

O gerente de operações da Bahia Pesca, Antônio Laborda, explica que o bioflocos permite que os produtores baianos – especialmente aqueles localizados no semiárido – possam ter “fazendas” de peixes, permitindo que o produtor passe até seis meses sem precisar renovar a água de seus tanques. “Com o sistema tradicional de piscicultura, a água utilizada nos tanques precisa passar por constante renovação. Entre 3% e 10% da água precisa ser trocada diariamente. Já com o sistema de bioflocos, a água pode ser utilizada por um período mais longo, que pode chegar a cinco anos, apenas repondo o que é evaporado”, comparou.

O púbico do torneio esportivo poderá conhecer o sistema na prática. Um tanque de oito mil litros será colocado na área do evento, para exibição. Os peixes pescados pelos esportistas na barragem de Pedra do Cavalo serão deixados nesse tanque com bioflocos até o momento de sua devolução à natureza. Outro tanque, de dois mil litros, será utilizado como um “pesque e solte”. As crianças poderão pescar os animais com a supervisão de técnicos da Bahia Pesca, enquanto aprendem sobre a importância da conservação da fauna marinha.

“O turismo de pesca vem se destacando como opção de desenvolvimento para determinadas regiões, especialmente pela capacidade de promover a conservação dos recursos naturais nos destinos turísticos, além de favorecer a interação entre visitantes e ribeirinhos”, ressalta Laborda.