Centro Norte Baiano

Da Redação Qui , 23/05/2019 às 16:31

Espaços públicos de Itaberaba recebem poética estudantil



Os estudantes do Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães, em Itaberaba, levaram a arte poética para além dos muros da escola. Trata-se do projeto “Poesia no Ponto”, em sua terceira edição, no qual os alunos promovem intervenções em espaços públicos, a exemplo do largo da antiga rodoviária do município. Além de distribuir para os transeuntes os poemas autorais impressos, eles declamam em voz alta e dramatizam os conteúdos de cunho social.

A estudante Ana Júlia Sales, 14, costuma declamar o seu poema “Dona Maria”, no qual versa sobre emancipação feminina. “Este projeto é muito interessante e fico muito encantada em participar, porque ampliou meus horizontes em relação a questões sociais, como a situação de submissão das mulheres, que precisam tomar consciência para lutar pelos seus direitos e seu lugar na sociedade. Também foi muito legal perceber que este projeto de Português interage com outras áreas do conhecimento, como Sociologia, Filosofia e História. Então, foi fazendo poesias que discutimos muitos temas atuais e importantes para o nosso crescimento”, conta a aluna, que é líder de classe.

A colega Mariana Souza, 14, também fala sobre o projeto que a estimulou a escrever os versos de “Preconceito com P de preto”. “A poesia é um instrumento importante para falarmos de temas como racismo, desigualdade social, educação e situação política do país, que nos atingem e nos sensibilizam, despertando a nossa consciência. É muito gratificante este trabalho porque contribui não só para o nosso aprendizado, mas também para levarmos conhecimentos para outras pessoas”.

Idealizadoras do “Poesia no ponto”, as professoras de Língua Portuguesa Geovana Rodrigues e Cristina Maria Santana explicam que o projeto tem como objetivo despertar o gosto pela leitura e pela arte de escrever, bem como estimular a expressão criadora e a integração da escola com a comunidade. “Desenvolvemos o trabalho durante três meses em sala de aula e atividades extraclasse. Motivamos os nossos alunos a lerem e escreverem poemas de crítica social e a terem contato com textos literários e jornalísticos. O resultado foi a produção poética criativa, engajada e rica em conteúdo. Eles têm apenas entre 14 e 15 anos e já estão bem preparados para, quando chegarem no 3º ano, escreverem com desenvoltura as suas dissertações”, destaca Geovana Rodrigues.