Extremo Oeste Baiano

Da Redação Sex , 08/06/2018 às 11:29 | Atualizado em: 08/06/2018 às 11:30

Participação das mulheres no Agronegócio é destacada na Bahia Farm



Uma em cada três propriedades rurais do Brasil há mulheres ocupando funções de comando, quando não são as principais responsáveis pelas propriedades. Os dados são da pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA) e, conforme os organizadores da Bahia Farm Show 2018, podem ser comprovados por quem circula na feira, “onde a presença forte de mulheres ajudam a fortalecer o agronegócio regional”.

A marca da mulher na Bahia Farm já começa com o comando do evento, que está a cargo de Rosi Cerrato. Com uma equipe de profissionais e técnicos, ela cuida de todos os detalhes para que a feira aconteça e conduz o “Chá das Mulheres”, realizado na quarta-feira (6). “A mulher faz a diferença em todas as áreas que ela quiser. Coordenar a feira, independentemente de ser homem ou mulher, é um trabalho no qual você tem que fazer a diferença, ter raciocínio rápido para resolver tudo e manter a calma. Fico feliz por estar podendo contribuir com um evento tão grandioso e ser reconhecida por isso”, revela a coordenadora geral.

O encontro contou com centenas de convidadas dispostas a mostrarem que “lugar de mulher é em qualquer lugar”. “ A mulher, hoje, busca mais conhecimento e quer estar no meio de trabalho do marido para poder contribuir com a produção”, declarou a empresária Mari Zanella, esposa do presidente da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (AIBA) e da Bahia Farm, Celestino Zanella. Também presente no Chá das Mulheres, Renate Busato, esposa do ex-presidente da AIBA e atual presidente da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (ABAPA), Julio Busato, fala sobre a participação feminina no Agronegócio. “A importância da mulher nesse ramo é algo notável. Meu marido teve a ideia de criar esse chá e eu abracei a iniciativa. Temos que dar destaque a essa nova mulher administrada, empresária, enfim, não é por acaso que, hoje, é uma mulher que coordena a feira”.