Extremo Oeste Baiano

Claudia Lessa Qui , 12/07/2018 às 17:06 | Atualizado em: 12/07/2018 às 17:09

Nova etapa do projeto de recuperação de nascentes no Oeste baiano é lançada



Os produtores rurais do Oeste baiano lançaram, nesta semana, a nova etapa do Projeto de Recuperação de Nascentes. A ação, realizada por meio da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (ABAPA) e da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (AIBA), no auditório das entidades em Barreiras (BA), corresponde a um investimento de R$ 500 mil, através de recursos do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA). A iniciativa consiste na realização, ao longo deste ano, de atividades de sensibilização, a partir de capacitação de técnicos e moradores das áreas rurais, além da aquisição de insumos, mudas e equipamentos para revitalizar as nascentes de rios de 11 municípios que abrangem as bacias hidrográficas do Grande, Corrente e Carinhanha.

A previsão é de recuperar e proteger, ainda este ano, cerca de 100 nascentes de rios em todo o Oeste da Bahia, de acordo com representantes da ABAPA e AIBA. Até o momento, o projeto já recuperou cerca de 23 nascentes dos municípios de Barreiras, Cocos, Formosa do Rio Preto, Jaborandi, São Desidério e Wanderley, onde também já foram realizados os treinamentos práticos com os técnicos da Prefeitura e dos povoados, conforme a diretora de Meio Ambiente da AIBA, a bióloga Alessandra Chaves. A ideia, explica, é fomentar uma rede que também integre as instituições de ensino e pesquisa para montar uma estrutura com viveiro de mudas e associações e entidades de comunidades que coletam as sementes nativas. “Estamos em contato com todos os produtores para montar esse elo entre prefeituras, agricultores, entidades de ensino e pesquisa e sociedade civil para manter um trabalho permanente”.

O presidente da ABAPA e também produtor rural, Júlio Cézar Busato, ressalta que o aporte de recursos deverá multiplicar as ações realizadas nos municípios por meio das parcerias das secretarias municipais de Meio Ambiente, dos técnicos e consultores dos produtores rurais e das universidades da região. “Esses agricultores vão montar, por meio desses treinamentos, um verdadeiro exército de pessoas engajadas a diagnosticar, recuperar e proteger as nascentes da região, garantindo, ainda, as condições materiais para que as prefeituras possam executar os serviços nos municípios”. Busato completa que a nova etapa do projeto também se apoia no diálogo entre produtores, municípios e entidades socioambientais. “Dependemos mais do que ninguém da terra e da água e, por vivermos aqui na região, também estamos engajados na preservação ambiental”, disse, destacando um estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) que mostra que 52% da região do Cerrado do Oeste da Bahia estão preservados, sendo a maioria em área dos próprios agricultores.

A secretária de Meio Ambiente de Correntina, Regina de Castro, considera ser necessário avançar na questão ambiental e inovar nas práticas de uso e manejo do solo para que todos tenham água por muito mais tempo. “Não basta apenas economizar, estamos aprendendo a produzir água para a vida. Nosso município recebe o curso de recuperação de nascentes até sexta-feira (13), iniciado na quarta (11). Já o secretário de Meio Ambiente de Formosa do Rio Preto, Leanderson Barreto, lembra que a ação já foi realizada no município quando foi recuperada a nascente da localidade do Arroz. “O curso promovido durante a Semana do Meio Ambiente foi um diferencial das ações da área ambiental da nossa cidade ao ampliar o número de multiplicadores das técnicas de recuperação de nascentes e envolver mais pessoas em uma rede de proteção ambiental”.