Metropolitana

Da Redação Qua , 22/05/2019 às 18:45 | Atualizado em: 22/05/2019 às 18:48

Empresas vão investir R$ 44,5 milhões e gerar 200 empregos na RMS



Uma injeção de R$ 44,5 milhões em investimentos poderá gerar cerca de 200 empregos na Região Metropolitana de Salvador. Isso porque três empresas assinaram nesta quarta-feira (22) protocolos de intenções na Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado (SDE) que visam a ampliação de duas indústrias e a implantação de outra. Somente no município de Simões Filhos, uma fábrica de tubos e conexões investirá R$ 40 milhões.

“Na Bahia, a atração de investimentos não para. E, se o ambiente de negócios é bom, além de se implantar, a empresa também amplia. Hoje, assinamos protocolos de duas ampliações, uma delas vai dobrar a capacidade produtiva e a outra vai produzir 35% a mais. O terceiro protocolo é uma implantação. Ou seja, o governo baiano está focado em atrair emprego e renda para o Estado”, afirmou João Leão, vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico.

A Asperbras Tubos e Conexões, que está há 20 anos na Bahia, vai ampliar e modernizar sua unidade industrial destinada à fabricação de tubos de PVC rígido, conexões de PVC, conjunto de irrigação por aspersão para fins agrícola e composto de PVC para industrialização, que fica em Simões Filho. A fábrica irá dobrar a sua capacidade produtiva, passando de 12 mil para 24 mil toneladas/ano, criando 120 novos empregos.

Já a Brasil Indústria de Embalagens do Nordeste vai implantar, também em Simões Filho, uma unidade industrial destinada à fabricação de tubos e cantoneiras de papéis, papéis e cartões, pastas de madeiras, artigos de transporte ou de embalagem de plásticos, bobinas plásticas, chapas, folhas, películas, tiras e lâmina de papel. Serão investidos R$ 2,5 mil, criados 25 empregos diretos e a indústria terá capacidade de produção de 14,4 mil toneladas/ano.

Em Salvador, a Delícia Polpa de Frutas vai ampliar a sua unidade industrial, onde serão investidos R$ 2 milhões e terá um incremento na capacidade de produção de 588 toneladas/ano de polpas de frutas, 35% a mais do que é produzido atualmente, dobrando o número de postos de trabalho, que passará de 18 para 36.