Da Redação Qua , 25/03/2020 às 09:13 | Atualizado em: 25/03/2020 às 09:20

Tele Coronavírus 155 já está atendendo gratuitamente a população



O Tele Coronavírus 155, que está em funcionamento desde terça-feira (24), presta orientação e esclarecimentos à população baiana com rapidez e agilidade, durante a pandemia do novo coronavírus. O serviço funciona das 7h às 19h, é gratuito e é resultado de uma parceria entre o Governo do Estado, a Universidade Federal da Bahia (UFBA) e a Fiocruz Bahia. Através do número 155, estudantes do quinto e sexto ano de Medicina, supervisionados por médicos, irão orientar a população, evitando a circulação de pessoas que não precisam de atendimento em unidades de Saúde, neste primeiro momento.

Os estudantes de Medicina, devidamente capacitados, irão escutar as demandas e fazer a orientação, de acordo com o protocolo oficial adotado pela Secretaria de Saúde do Estado (SESAB) e Ministério da Saúde, conforme o secretário da pasta, Fábio Vilas-Boas. “Ao receber uma ligação, o estudante alimenta uma plataforma e esse dado é utilizado para os registros na área de saúde, para auxiliar na gestão e na assistência à saúde”.

O secretário estadual do Planejamento, Walter Pinheiro, explica que o Governo do Estado tem articulado parcerias estratégicas para o enfrentamento do coronavírus e recebeu o apoio da UFBA e da Fiocruz, com o envolvimento de diversas universidades baianas. “Trabalhamos, inclusive, para garantir que o serviço fosse disponibilizado através de um número de três dígitos, o 155, para que as pessoas possam memorizar com mais facilidade”.

Serviço idealizado pela Fiocruz e UFBA, o Tele Coronavírus recebeu apoio do Governo do Estado, através das secretarias de Saúde (SESAB), de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI), do Planejamento (SEPLAN) e da Infraestrutura (SEINFRA). Também aderiram à ação as quatro universidades estaduais (UNEB, UESC, UEFS e UESC), a Escola Bahiana de Medicina, a FTC Salvador, a UNIFACS, a UFRB, a UFSB e a Fesftech, esta última responsável pelo desenvolvimento da plataforma que será alimentada pelos voluntários. Os estudantes das instituições citadas, bem como os médicos supervisores, serão certificados pelo serviço. Aqueles que possuam interesse em se voluntariar, devem procurar as coordenações das respectivas universidades parceiras nesta ação.

“Cada grupo de 20 estudantes tem a supervisão de um médico residente ou não residente, todos voluntários, que aderiram por inscrição. No momento, temos, aproximadamente, 1200 estudantes e 70 médicos. Durante os trabalhos de planejamento, contamos com a participação de um conselheiro do Conselho Regional de Medicina (CREMEB) para acompanhar e opinar sobre as questões atinentes ao exercício profissional”, pontuou a secretária da SECTI, Adélia Pinheiro.