Sul Baiano

Da Redação Ter , 02/01/2018 às 09:34

Projeto da Casa Familiar Agroflorestal de Nilo Peçanha recebe reconhecimento nacional


Jovens apoiados pelo projeto Biodiverso participam de capacitação para o controle de pragas na agricultura - Foto: Divulgação
Jovens apoiados pelo projeto Biodiverso participam de capacitação para o controle de pragas na agricultura
Divulgação

O Projeto Biodiverso, voltado a alunos do curso de Educação Profissional Técnica em Florestas integrado ao Ensino Médio da Casa Familiar Agroflorestal (CFAF), em Nilo Peçanha, recebeu no mês de dezembro, em Brasília, menção honrosa no Prêmio Celso Furtado, iniciativa do Centro Celso Furtado e do Ministério da Integração Nacional. Reconhecido na categoria Práticas Exitosas de Produção e Gestão Institucional, o projeto, realizado desde 2016 através da parceria entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) – Mandioca e Fruticultura, estimula a realização de estágios e pesquisas sobre a citricultura.

“Estamos muito felizes por mostrar que a educação contextualizada ao campo e a iniciação científica podem andar juntas visando o futuro dos jovens do Baixo Sul da Bahia. Com a parceria da EMBRAPA, a agricultura familiar está sendo fortalecida”, comemorou Rita Cardoso, diretora da CFAF. Para Rômulo Carvalho, pesquisador da EMBRAPA responsável pela iniciativa, o reconhecimento é mais uma prova de que as instituições contribuem efetivamente para o desenvolvimento dos estudantes, que são estimulados a permanecer no campo com qualidade de vida, apoiando suas famílias e comunidades através do conhecimento. “Os saberes científicos adquiridos por eles contribuem para sua base técnica. Que essa conquista faça com que continuem acreditando em uma agricultura de base agroecológica em suas vivências práticas”, afirmou.

O projeto Biodiverso conta com seis estudantes bolsistas que testam aprendizados em suas propriedades e monitoram os resultados com a orientação de pesquisadores. “Estou realizando experiências com variedades de citros para saber qual se adapta em minha região. Coleto dados e avalio o crescimento das plantas e das folhas”, conta Geiza dos Santos, do 2º ano, que aplica as metodologias adquiridas em 36 pés de laranja no pomar da família. Em paralelo, oficinas e capacitações beneficiam alunos dos três anos de formação, contemplando também suas famílias e produtores rurais da região - mais de 300 pessoas são impactadas.

“Estamos agregando esse novo conhecimento e vendo que é possível diversificar as culturas das nossas propriedades, monitorando de forma adequada pragas e doenças”, disse o estudante do 2º ano, Álvaro Santos, após curso sobre a importância da citricultura em um Sistema Agroflorestal de plantação. Durante as apresentações, análises e novidades da área são repassadas. “É muito bom poder conhecer trabalhos de pesquisa científica e complementar nosso curso com estudos tão relevantes”, comentou Carlos Pinho, que está no 3º ano na CFAF. A instituição integra o Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade (PDCIS), idealizado e fomentado pela Fundação Odebrecht. É também apoiada, entre outros parceiros, pela Mitsubishi Corporation e Braskem.

Centro de referência

A CFAF é um centro de referência na geração e difusão de conhecimentos aplicados às atividades agroflorestais. Nessa unidade de ensino, credenciada pelo Conselho Estadual de Educação da Bahia e conveniada com a Secretaria Estadual da Educação, os jovens têm acesso ao curso de Educação Profissional Técnica em Florestas integrado ao Ensino Médio.

A Casa une o conhecimento tradicional e o técnico, adaptando o ensino à realidade e aos recursos naturais disponíveis. Inserida em um ambiente onde há predominância de comunidades quilombolas, a CFAF incorpora à grade curricular essa origem cultural, abordada por meio de ações que aproximam os jovens da história de seus ancestrais, resgatando sua identidade e as tradições locais.